Wesley Safadão e a dupla Rafa e Pipo Marques são carro chefe do Garota White que acontece no Pestana Hotel

A volta de Wesley Safadão para São Luís já tem data marcada. No dia 26 de agosto acontece o Garota White no Pestana Hotel (Calhau) e o staff do WS escolheu Pipo e Rafa Marques e o projeto eletrônico ‘A Liga’ para completar a label. O evento que tem como proposta convidar o público a se vestir de branco. O Garota White conta ainda com palco 360º em uma estrutura mais intimista bem diferente das grandes estruturas que Wesley é acostumado a se apresentar pelo Brasil. LEDs, luzes, alta definição de som fazem parte da cenografia pensada para a ocasião.

Três espaços

Na edição da festa deste ano será disponibilizado três espaços. Space Jardim, Space Deluxe e o Lounge 5 Estrelas. Este último contará com serviços como Make up, Spa e o Wine Space; tudo com “acesso exclusivo e produtos personalizados e muito conforto”, promete a produção do evento.

Depois do sucesso da gravação do DVD WS in Miami Beach, Safadão poderá mostrar para o público de São Luís os seus novos sucessos apresentados nos EUA. Hits como “Decreto Liberado”, “Ar Condicionado no 15“, “Ressaca De Saudade”, “Meu Coração Deu PT” e “Ninguém é de Ferro” fazem parte da playlist do dono da festa.

Os filhos do Bell

É difícil pensar em Rafa e Pipo Marques sem lembrar do pai famoso. Bell Marques, que durante 30 anos esteve à frente do Chiclete com Banana é pai dos dois garotos que estão levando uma nova axé music nas mais variadas festas e micaretas pelo Brasil. Para falar do sucesso de Rafa e Pipo, pode-se destacar a música “Tô de Boaça” que foi lançada junto com o amigo Safadão.

Os djs mascarados

Música eletrônica também

O ‘Projeto A Liga’ é formado por 4 DJs de Florianópolis que, usando a temática de personagens mascarados que fazem a cabeça da garotada. Prometem levar o melhor da cena eletrônica. O quarteto já se apresentou em festivais como Rock in Rio, clubes como Green Valley, além das participações em shows internacionais como da Milley Cyrus.

Preços e espaços

Os ingressos para o Garota White 2017 estão sendo vendidos nos valores de R$ 120,00 (inteira) e R$ 60 (meia) para o Space Jardim; R$ 180,00 (inteira) e R$ 90,00 (meia) para o Space Deluxe. Já para Lounge 5 Estrelas, o preço de terceiro lote é R$ 280,00. Pontos de venda: Óticas Diniz (shoppings da Ilha, Rio Anil, São Luís e Monumental), no local do evento e na internet (www.bilhetecerto.com.br).

Márcio Jardim (PT) defende candidatura de Dilma ao Senado pelo Maranhão

Depois da divulgação de uma campanha pró-Jardim para chapa majoritária pelo senado nas eleições de 2018, agora Márcio Jardim (PT), defende que Dilma possa sair pelo senado no estado do Maranhão.

De paraquedas

Jardim argumenta, através do seu Twitter, que Dilma Rousseff não tem “nenhum eventual erro na condução política” e fala ainda que “Dilma engrandecerá qualquer unidade da federação por onde sair como candidata ao Senado”.

Já foi convidada

No passado quem também convidou a ex-presidente para concorrer ao senado pelo Maranhão foi o governador Flávio Dino. Mas nada foi confirmado. Márcio Jardim pede que o PT engrosse o convite a Dilma.

Partido dos Trabalhadores como protagonista

A pauta jogada por Márcio Jardim também explica a busca de um protagonismo do PT na chapa encabeçada pelo PC do B. Até agora quem tem vaga garantida na chapa é o PDT, através do deputado Weverton Rocha, que busca confirmar sua candidatura ao Senado Federal.

Começar a discussão de um nome do PT na chapa majoritária, mesmo que seja o de Dilma,  é uma forma de marcar território. Se não for Dilma Rousseff quem sabe não pode ser o próprio Márcio Jardim.

de Jovem Pan

Discutida em comissão especial na Câmara dos Deputados, a reforma política foi abordada pelo juiz federal Sérgio Moro durante participação no Fórum Mitos & Fatos – Justiça Brasileira, realizado nesta terça-feira (15), em São Paulo. “Acho que essa reforma política como está sendo pensada não é a verdadeira reforma política. Tem que se pensar de maneira diferente para se enfrentar esse problema”, disse.

Juiz federal Sérgio Moro participa de evento da Jovem Pan

O juiz federal responsável pela Vara de Curitiba elogiou a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade para declarar a inconstitucionalidade dos dispositivos legais que autorizavam as contribuições de pessoas jurídicas às campanhas eleitorais, em 2015. “Julgamento extremamente interessante, se eu não estiver equivocado, o ministro Luiz Fux afirma que o problema é que a legislação em exame era muito permissiva em relação às doações empresariais eleitorais, o que levava a anomalias de empresas com grandes contratos com a administração pública pudessem realizar doações favorecendo relações espúrias”, explicou.

Devido a isso, Moro elogiou que a decisão tenha sido mantida no texto da reforma política que tramita no Congresso. Sobre os financiamentos, Moro citou ainda casos em que empresas recebiam empréstimos bilionários do BNDES e, no dia seguinte, faziam doações eleitorais, “ou casos grotescos em que grandes empresas faziam doações para todo o espectro político, como se fosse um contrato de seguro”.

O juiz federal ressaltou, no entanto, que no seu entendimento, o Supremo não decidiu no sentido de dizer que as doações empresariais são totalmente inválidas, mas sim que é preciso ter regulações rígidas em relação a essa matéria.

Para ele, é preciso estabelecer limites estritos: “Então não pode empresas contratantes do poder público fazer doações. Por outro lado, limites rígidos para doações, para que um candidato não se sinta comprado por uma grande empresa. Talvez estabelecer limite baixo, de R$ 100 mil, para doação”.

Ao mostrar sua opinião, Moro disse que tem simpatia pelo financiamento público e não necessariamente por uma exclusividade deste tipo de doação. “A questão não é só do custo, mas existe problema de como esse dinheiro vai ser distribuído e se a forma como ele vai ser distribuído não vai dificultar a renovação de mandatos. Há tendência de que quem está dentro queira continuar dentro e deixar fora quem está de fora. Financiamento público, por bem-intencionado que seja, tem que ser bem pensado para evitar esse tipo de problema”, finalizou.

A reforma política comentada pelo juiz Sérgio Moro entra em sua fase final na comissão especial da Câmara nesta terça (15) com a votação dos últimos destaques e, ao menos, o encaminhamento da votação do relatório.

Moro reforça posição sobre presidência: “não serei candidato”

Sérgio Moro tem seu nome colocado nas mais diversas listas de possíveis nomes que serão candidatos às eleições presidenciais de 2018. O juiz, no entanto, durante participação no fórum Jovem Pan Mitos & Fatos, reforçou sua posição: “não serei candidato”.

“Acredito que há de se ter um perfil e não me vejo com esse perfil. Fiz uma escolha pela magistratura”, explicou.

Mesmo assim, Moro rasgou elogios à profissão: “A profissão política é uma das mais belas. Nos eventualmente temos imagens pejorativas por eventuais escândalos criminais, mas existem muitos bons políticos”.

Mas não teve jeito. O juiz foi categórico: “já disse mais de uma vez e reitero que não serei candidato”.