O Netflix está em discussões ativas com a Walt Disney para manter filmes da Marvel e Star Wars após 2019, quando os novos filmes da Disney e Pixar deixarão de aparecer no serviço de transmissão, disse um executivo nesta quinta-feira.

A Disney anunciou na terça-feira que estava retirando novos filmes da Disney e Pixar do Netflix, começando com seus lançamentos de 2019, e colocará os filmes em um novo serviço online da marca Disney.

O presidente da Disney, Bob Iger, disse a analistas que, até aquele momento, a empresa ainda não havia decidido onde irá distribuir filmes de super-heróis da Marvel Studios e da Lucasfilm, produtora de Star Wars, da Disney.

O diretor de conteúdo do Netflix, Ted Sarandos, disse à Reuters que “ainda estamos em discussões ativas” com a Disney sobre a chance de garantir um acordo para manter os direitos de transmitir lançamentos de Marvel e Lucasfilm após 2019.

A Disney não respondeu de imediato ao pedido de comentário. Iger disse na terça que os filmes de Marvel e Lucasfilm poderiam ir para Netflix ou outro serviço de transmissão depois de 2019, ou a Disney pode manter os direitos para si.

O presidente Michel Temer disse que será anunciado na próxima quinta-feira uma nova remuneração para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço que, segundo ele, acrescentará 7 bilhões de reais ao FGTS.

“Na quinta-feira nós vamos anunciar 7 bilhões do Fundo de Garantia para os trabalhadores brasileiros, fruto de uma nova remuneração para o Fundo de Garantia”, disse o presidente em cerimônia sobre financiamento imobiliário da Caixa Econômica Federal, nesta terça-feira, em São Paulo.

A mudança na remuneração do FGTS já havia sido definida pelo governo em dezembro do ano passado, quando anunciou uma série de ações para tentar estimular a economia. [nL1N1EA1YB]

Atualmente, o FGTS tem uma remuneração de 3 por cento ao ano mais a Taxa Referencial (TR). Na ocasião, o governo indicou que a nova remuneração do fundo passará a ser de 5 ou 6 por cento ao ano mais TR, próximo do que rende a poupança.

O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil levará ao conselho do Programa de Parceria de Investimentos proposta para concessão de três blocos de aeroportos, incluindo terminais superavitários e deficitários, disse nesta terça-feira o ministro da pasta, Maurício Quintella.

Segundo o ministro, a proposta prevê a concessão de um bloco do Nordeste, tendo como aeroporto principal o de Recife (PE), e incluindo também os de Maceió (AL), João Pessoa (PB), Teresina (PI), São Luís (MA), Aracaju (SE), Petrolina (PE), Juazeiro do Norte (CE).

O bloco do Centro-Oeste seria capitaneado pelo aeroporto de Cuiabá (MT) e teria ainda os terminais de Sinop (MT), Barra do Garças (MT), Rondonópolis (MT) e Alta Floresta (MT).

O bloco do sudeste incluiria Santos Dumont (RJ) e os aeroportos de Vitória (ES), Macaé (RJ), Pampulha (MG) e Jacarepaguá (RJ).

A proposta do Ministério deve ser apresentada na próxima reunião do Conselho do PPI, em 23 de agosto. Cabe ao conselho dar a última palavra sobre os projetos que serão oferecidos no próximo lote de concessões.

Além desses aeroportos, o PPI deve encaminhar a relicitação do aeroporto de Viracopos (SP), a concessão do trecho de Rondônia da BR-364 e cerca de 18 terminais portuários.

TRANSNORDESTINA

O secretário De Fomento e Parcerias do Ministério, Dino Antunes Dias Batista, que participou com Quintella de audiência pública no Senado, disse acreditar que as obras da ferrovia Transnordestina devem ser retomadas em meados de 2018.

“A expectativa é que a concessionária entregue até março os pedidos do TCU (Tribunal de Contas da União) e a obra possa ser retomada em meados do ano que vem”, disse.

O TCU está exigindo dos responsáveis pela obra um projeto executivo, custo final da obra e equacionamento financeiro para concluir os trabalhos iniciados há mais de 10 anos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi enfático nesta terça-feira ao rechaçar a possibilidade de um aumento de Imposto de Renda contar com o apoio dos deputados.

“Se tiver que passsar pela Câmara não passa”, disse Maia a jornalistas, ao chegar ao Congresso nesta tarde, quando perguntado sobre uma possível elevação do IR.

Mais cedo, ao participar de evento em São Paulo, Maia já havia dito, em discurso, que “precisamos ter clareza que o Brasil não aguenta pagar mais impostos”.

Após participar do mesmo evento, o presidente Michel Temer admitiu que o governo estuda uma elevação do Imposto de Renda, mas disse que ainda não há definição sobre isso.

Notícia publicada no jornal O Estado de S. Paulo nesta terça-feira relata que a equipe econômica considera a criação de uma alíquota de IR de 30 ou 35 por cento para quem ganha acima de 20 mil reais, além da tributação de lucros e dividendos, entre outras medidas, com o objetivo de aumentar a receita em 2018.

O governo enfrenta sérias dificuldades para equilibrar as contas públicas e há uma forte expectativa de que terá de alterar a meta fiscal deste ano, para poder ter um déficit primário maior dos que os 139 bilhões de reais previstos.

Em seu discurso, Maia reafirmou o apoio à reforma da Previdência, dizendo que é o coração de todas as reformas. Reconhecendo as dificuldades de aprovar essa reforma, o presidente da Câmara disse que é preciso enfrentar o “discurso fácil” do populismo.