Logo que passou a eleição de 2016 as medidas de asfaltamento e recapeamento sumiram das ruas de São Luís. Mas agora a prefeitura lança um novo (sic) programa para resolver um velho problema. Com novo nome, o “Asfalto na Rua” promete melhorar a imagem do prefeito Edivaldo e também do governador Flávio Dino dentro da capital maranhense.

O programa é realizado com recursos municipais e o empurrão do “Mais Asfalto” do governo do estado do Maranhão. Serão 100 quilômetros de asfalto. Os serviços já foram iniciados, por exemplo, nos bairros do Anjo da Guarda e Gancharia. Mas uma pergunta que fica. O asfalto vai ser colocado por onde o “Mais Asfalto” já passou? A recuperação feita no período pré-eleitoral municipal já oferece sérios problemas em diversos pontos da cidade. Resta o prefeito explicar se será continuação de um trabalho ou recuperação do velho asfalto de novo.

Recuperação de via na frente do residencial Grand Park. O “Mais Asfalto” já passou por lá.

A recuperação asfáltica tem que ser contínua e com material de qualidade. O programa volta 10 meses depois, haja vista que foi paralisado logo após o resultado positivo nas eleições 2016. Aguardemos cenas dos próximos capítulos.

 

Na última quinta-feira (27), foi negado o pedido de liminar de tutela de urgência (decisão judicial antecipada) da Defensoria Pública do Estado do Maranhão (DPE-MA) contra o Município de São Luís, para garantir que os consumidores tenham acesso ao serviço de transporte privado via aplicativo (Uber).

A decisão é do juiz Manoel Araújo Chaves, respondendo pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos da comarca da Ilha de São Luís e foi dada nos autos da Ação Civil Pública (ACP) em que a DPE pediu ao Judiciário impedir a Prefeitura de São Luís de proibir o uso de aplicativos destinados ao serviço de transporte individual de passageiros cidade de São Luís e de efetuar apreensões dos veículos prestadores desse serviço. Pediu, ainda, a fixação de multa no valor de R$ 50 mil no caso de qualquer autuação.

A Defensoria alegou a inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 429/2016, que determina a proibição do uso de veículos particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado individual de pessoas, por violar a Constituição Federal de 88, e a inaplicabilidade da Lei Municipal nº 3430/1996, que por sua vez dispõe sobre o serviço público de Transporte Coletivo Urbano do Município de São Luís. Tomando essa lei como base, estavam sendo apreendidos os veículos dos condutores do serviço de transporte privado individual remunerado de passageiros.

Na ACP, a Defensoria argumentou que o transporte individual privado remunerado realizado por meio de aplicativo é modalidade legalizada e expressamente prevista na Lei Federal nº 12.587/12 – da Mobilidade Urbana (LMU). E apontou que o Município de São Luís violara o Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90), que consagra o direito à livre escolha consciente do serviço que melhor lhe interessa.

O Município pediu a rejeição do pedido de tutela antecipada e sustentou, em sua defesa, que na ótica das leis que regem o disciplinamento do transporte urbano em São Luís, o táxi é o serviço de transporte individual de passageiros e que automóveis de passeio que não possuem essa autorização não podem transportar passageiros.

O juiz argumentou ainda que a Política Nacional de Mobilidade Urbana não define, não prevê, nem institui o “transporte individual privado remunerado” alegado pela DPE.

De acordo com a LMU, “transporte público individual” é definido como “serviço remunerado de transporte de passageiros aberto ao público, por intermédio de serviços de aluguel, para a realização de viagens individualizadas”. O “transporte público individual”, portanto, tem se caracteriza por ter natureza pública – na forma de acesso e utilidade -, ser remunerado e ser exercido por veículo de aluguel. Segundo ele, o Código de Trânsito Brasileiro dispõe que veículos de aluguel, destinados ao transporte individual ou coletivo de passageiros de linhas regulares ou empregados em qualquer serviço público remunerado, para registro, licenciamento e respectivo emplacamento de característica comercial, deverão estar devidamente autorizados pelo poder público.

Além disso, a Lei Federal nº 12.468/2011, que regulamenta a profissão de taxista, estabelece como “atividade privativa dos profissionais taxistas a utilização de veículos automotor, próprio ou de terceiros, par ao transporte público individual remunerado de passageiros.

“Assim”, disse o juiz, ‘o transporte motorizado privado (…), definido como o “meio motorizado de transporte de passageiros utilizado para a realização de viagens individualizadas por intermédio de veículos particulares”, em nada se relaciona ou pode ser equiparado ao transporte público individual remunerado’

por MA 10