Da assessoria

Sexta-feira, 1° de dezembro, a partir das 20h30min, na livraria do Espaço Cultural AMEI do Shopping São Luís, em São Luís/MA, a dupla de quadrinhistas Iramir Araujo e Beto Nicácio lançará a revista em quadrinhos Jurados de Morte (formato 17 x 28 cm, 24 páginas, preço não informado).

Com duas HQs em preto e branco, as tramas são ambientadas no Sertão do Nordeste brasileiro. Segundo Beto Nicácio, “Jurados de morte é uma espécie de acerto de contas de personagens marcados pela rudeza daquela região geográfica com seu destino sempre incerto”.

Para o roteirista Iramir Araujo, as histórias se passam em uma região limítrofe “entre o que vemos e o que nos é ocultado; entre o que imaginamos e o que se revela aos nossos olhos. Uma região inventada, mas tão familiar, que soa verdadeira e, por isso, converte-se aos poucos em uma ideia de que poucos possam duvidar”.

No lançamento, também estarão presentes os artistas Ronilson Freire e Rom Freire, vendendo a revista Grimorium, de sua autoria. Na ocasião acontecerá um bate-papo com os presentes sobre os títulos.

Da arte de Apolônia Pinto à sensibilidade de Arthur Azevedo, Exposição Alusiva aos 200 anos do Teatro Arthur Azevedo encantará ao público a partir do dia 08 de dezembro, às 20h, nas dependências da casa de espetáculos.

Durante um pouco mais de um ano a curadora da exposição, Carolina Ramos, e os pesquisadores Anderson Oliveira e Ângela Pereira mapearam a história do teatro mais importante do Maranhão, o Teatro Arthur Azevedo. Como parte da pesquisa os envolvidos fizeram uma breve viagem à cidade do Rio de Janeiro no primeiro semestre deste ano e visitaram a Biblioteca Nacional em busca de mais informações sobre as personalidades que participaram da história do TAA. O resultado dessa viagem e dos meses de busca será lançado no dia 08 de dezembro na reabertura do Teatro Arthur Azevedo.

Na noite de lançamento da Exposição somente convidados poderão visita-la, e em seguida assistir ao espetáculo João do Vale – O Musical. E a partir do dia 09 de dezembro a mostra ficará aberta ao público.

A mostra ocupará diversos espaços dentro do teatro passando pelo Foyer, Salão Nobre, fosso e outros cômodos.

O público terá acesso ao acervo de gravuras do grande escritor e dramaturgo Arthur Azevedo. Também serão expostos livros e objetos que fizeram parte da vida do maranhense.

E não poderia faltar a homenagem à grande musa do teatro maranhense: Apolônia Pinto. Nascida em 1854, no camarim nº 1 do teatro, a atriz encantou o público da época e até hoje é mencionada como uma das maiores, senão a maior atriz do Brasil. Apolônia receberá homenagem dentro do camarim em que nasceu, com exposição de livros, objetos e peças da atriz.

A exposição também contará com recursos tecnológicos como notebooks para ajudar o público à entender melhor a história da casa de espetáculos.

Por fim, será realizado o lançamento do livro alusivo ao bicentenário da casa. A obra possui exatas 200 páginas, com textos assinados por ex-gestores, antigos funcionários, personalidades, autoridades, artistas e outros. Entre os grandes nomes que fizeram parte da edição do livro estão: o diretor do TAA,, Celso Brandão e a ex-diretora Nerine Lobão.

Para mais informações sobre visitações a Exposição Alusiva aos 200 anos do TAA, acesse o site do teatro (cultura.ma;gov.br/taa) ou ligue 32189901.

Um dos balés mais populares do mundo, o clássico natalino O Quebra-Nozes chega neste fim de ano ao palco do Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, para cinco apresentações, entre os dias 8 e 10 de dezembro. Nos papéis principais para a temporada 2017, estarão as bailarinas Ana Flávia Alvim e Danielle Marinho, como Clara, os bailarinos Breno Lucena e Diovani Cabral, como Quebra-Nozes e ainda como convidada Luciana Davi (São Paulo Cia de Dança) e Mel Oliveira (Primeira Solista do TMRJ) como A Fada Açucarada e Rainha das Neves, Mozart Mizuyama (São Paulo Cia de Dança) e Alyson Trindade (Primeiro Solista da CBB) como Príncipe e Rei das Naves. A direção e concepção coreográfica é de Jorge Texeira.

A enorme popularidade de O Quebra-Nozes comprova o fascínio exercido nas plateias a partir do encontro do conto de Alexandre Dumas com a música de Tchaikovsky e a coreografia original de Marius Petipá e Lev Ivanov. Sua estreia foi em 1892, na Rússia. A primeira apresentação no ocidente só aconteceu em 1934, no Sadler’s Wells Theatre, em Londres. Desde então, tornou-se um dos balés mais montados em todo o mundo.

Apresentado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, o espetáculo tem o patrocínio da Rio Prefeitura – Cultura, Accenture e Windsor Hotéis, apoio de O Globo e realização da Dell’Arte Soluções Culturais.

Sinopse

A ação se passa em Nuremberga, Europa Oriental, no princípio do século XIX. Narra-se a história de Drosselmeyer, um velho e misterioso fabricante de relógios e brinquedos mecânicos. Quando trabalhava no Palácio Real, Drosselmeyer inventou uma armadilha que matou metade dos ratos. Para se vingar, o maldoso Rei dos Ratos resolveu raptar o sobrinho de Drosselmeyer e o enfeitiçou com uma maldição, de modo que seu tio não mais o reconhecesse, fazendo com que o menino se transformasse num feio boneco Quebra-Nozes nas noites de Natal. Para que Drosselmeyer volte a reconhecer seu sobrinho, é preciso quebrar o feitiço. A única maneira de Quebra-Nozes desfazer a maldade do Rei dos Ratos é matá-lo e, mesmo com uma aparência ruim, conseguir ser amado por uma bela jovem.

É véspera de Natal. O médico e prefeito da cidade Jans Stahlbaum e sua esposa, imbuídos do espírito de Natal, se prontificam a oferecer, todo fim de ano, uma linda festa para seus parentes, amigos e crianças do orfanato Frone Kinder. A nobre e tradicional celebração é esperada com ansiedade pelos filhos do casal, Clara, Fritz e Louise, já que nesta noite eles têm a oportunidade de conhecer outras crianças e fazer novos amigos. Para Clara, este será um Natal ainda mais especial.