Estado quebrado

Em visita à Caxias, o Governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), afirmou para o prefeito Fábio Gentil (PRB) que o estado está quebrado. Nas palavras do governador as torneiras estão fechadas e é por falta de água. “Nós vivemos um tempo de vacas muito magrinhas. Tem hora que a gente nem acha vaca. No tempo da vaca magra é que era bom. Tem hora que a vaca foi embora mesmo. Não tem a gorda, não tem a magra, não tem nenhuma. Então, essa é a realidade da prefeitura, é a realidade do governo também”., brincou (sic) Flávio Dino.

Deus proverá

Segundo o governador ele tem a solução para o problema. Nas reuniões com a pasta de planejamento do estado do Maranhão quando indagado de onde virá o dinheiro, ele confessou que responde: “Deus proverá”

Assembleia do Deus

Agora está explicado os vários empréstimos autorizados pela Assembleia Legislativa do Maranhão, sem nenhum questionamento mas atendendo aos interesses do fiel governo. A última investida foi agora depois da declaração de estado quebrado, Dino quer a autorização da “Assembleia” para renegociar os R$ 2 bilhões do BNDES.

Quem paga a conta

O deputado estadual Adriano Sarney (PV-MA) quer que escolas comunitárias fique livre do pagamento de conta de água e energia elétrica. O projeto de lei número 176/2017 de autoria do próprio deputado tramita na Assembleia Legislativa e está na apreciação das comissões técnicas. Adriano só não explicou de onde virá o dinheiro para pagar a Caema e a Cemar. Deus proverá?

Patriotas

O deputado federal Jair Bolsonaro deve chegar no Partido Ecológico Nacional (PEN) com a bola toda. A saída de Bolsonaro do PSC, entre outras razões, foi o alinhamento do partido com o governo do comunista Flávio Dino. Ele, porém, esqueceu que o PEN faz parte da base aliada do governo do Maranhão. O assunto ainda não foi colocado em pauta pelo deputado que está fazendo “lista de exigências” para se filiar ao partido. O PEN passa a se chamar Patriotas, a pedido de Jair Bolsonaro.

Entre Dória e a Espada

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não sabe se tem ao lado um aliado ou um afilhado político traidor. O prefeito de São Paulo, João Dória (também, PSDB), jura fidelidade ao seu tutor mas as movimentações do prefeito mostra que ele ensaia um protagonismo para ser o candidato do partido no pleito nacional de 2018. No entanto, para reforçar a imagem, de que “se depender de mim, não serei candidato”, Dória gravou um vídeo ao lado do governador de São Paulo. Mas o que chamou atenção de muitos internautas foi o enquadramento dos dois no vídeo. (imagem abaixo)

 

 

O prefeito de São Paulo,João Dória, ensaia uma preferência popular e, ainda, dentro de seu partido, o PSDB. O prefeito foi mordido pela boa onda de sua  gestão e a alta popularidade de não-políticos na política. Aproveita a visibilidade de sua gestão em SP para alçar voos rumo ao Planalto.

Dória age estrategicamente para derrubar o seu padrinho, Geraldo Alckmin(PSDB), governador de São Paulo.

Publicamente já revelou que não vai entrar em um racha com o governador de São Paulo, mas seus passos são de forçar a candidatura de fora para dentro do seu partido.

Aliados do governador acreditam na lealdade do afilhado político. Enquanto isso Doria ensaia preferência nacional.

A passagem de Lula pelo Maranhão dará a senha de como anda a relação do ex-presidente com o Grupo Sarney. A comitiva de Lula em São Luís no dia 03 de setembro e tem agenda até o dia 04. Dias antes terá passado pelo estado de Alagoas onde cumpre agenda ao lado do governador Renan Filho  (PMDB).

O governador alagoano é filho do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) aliado histórico de José Sarney. Eles,inclusive, fazem parte do mesmo grupo dentro do PMDB.
O tom da passagem de Lula será determinante para avaliar se as relações de Sarney e Lula estão estremecidas.

Vamos aguardar.

O que Lula falava de Sarney

Não pensou sempre assim