A insegurança toma conta das estradas do Maranhão e mais um assalto aconteceu na tarde de ontem, quinta (21). A empresa vitima da ação dos bandidos foi o Grupo Petrópolis. Um caminhão da Itaipava foi tomado de assalto dentro dos Eucaliptos da Suzano na área de Cidelândia. A equipe do Sargento Nogueira foi informada do delito por volta das 13h e se deslocou até o local para conferir a informação preliminar.

“Constatamos a veracidade dos fatos onde o motorista e os entregadores foram mantidos reféns e após se libertarem informaram que foi subtraído parte da carga. Fizemos rondas nas vicinais porém sem êxito”, informou o Sgt Nogueira

As vitimas Adriano dos Santos Sousa, Cláudio Roberto Cerqueira da Costa e Francisco Cardoso da Silva registraram o roubo na delegacia de Cidelândia.

 

 

O juiz federal Vallisney de Souza, da 10ª Vara Federal em Brasília, decidiu ontem (11) rever sua decisão que homologou o acordo de leniência da J&F para fins criminais. A decisão do magistrado foi tomada a partir da possibilidade de anulação do acordo de delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo, que pode ser revisto pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

O acordo de leniência firmado com o Grupo J&F, controlador da JBS, prevê que empresa pague R$ 10,3 bilhões de multa e ressarcimento mínimo pelo esquema de corrupção envolvendo o pagamento de propinas a agentes públicos. O acordo foi assinado no início de junho pela Procuradoria da República no Distrito Federal e prevê a destinação de R$ 8 bilhões a órgãos públicos prejudicados pelos atos criminosos e o restante (R$ 2,3 bilhões) para o financiamento de projetos sociais.

O acordo prevê o pagamento ao longo de 25 anos, corrigido pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA). Com isso, a previsão do Ministério Público é de que a multa, ao final, supere os R$ 20 bilhões.

A confirmação do acordo foi feito no mês passado pela Câmara de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal, que decidiu por unanimidade pela homologação. O argumento é de que os dados apresentados pela J&F são “esclarecedores” porque e explicam como funcionava o esquema de corrupção.