Sai Michel Temer, assume Maia. Fábio Ramalho pega carona com Temer. Assume André Fufuca. Em seguida a pauta da reforma política sai de cena e a imprensa nacional começa a discutir o sobrenome do jovem André.

As notícias o desqualificam da função interina de presidente da Câmara. O jovem maranhense de bochechas rosadas não tem capacidade conduzir os trabalhos Câmara Federal.

Distritão, distrital, distritão misto, distrital misto e fundo partidário vai ficar para a próxima. Fica tudo do jeito que está e segue o jogo.

Na edição desta quarta-feira, 30 de agosto, o Jornal Nacional de William Bonner já admite o que pareceu óbvio desde o inicio. A reforma política não deve passar.

Tudo diferentemente igual ao que sempre foi. Bem vindo à selva e salvem-se quem puder nas eleições de 2018.

E o maranhense André Fufuca (PP-MA) pode adicionar na sua biografia política que por 9 dias foi presidente da Câmara Federal. E mais… serviu de bode expiatório.

Pelo nome e pela idade, o deputado federal André Fufuca (PP) tem sofrido o peso de sentar na cadeira da presidência da Câmara Federal. Com a viagem do presidente Michel Temer (PMDB) à China, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) assumiu a presidência. Como o vice-presidente da Câmara Federal, Fábio Ramalho (PMDB), também vai na comitiva presidencial restou para o segundo vice-presidente, Fufuca, assumir os trabalhos da casa em uma semana de votações importantes.

Em declarações políticos não apostam na condução dos trabalhos do deputado que acabou de completar 28 anos. A imprensa também o desdenha e nas redes sociais motivo de piadas. É nesse terreno que o deputado maranhense tem que apreciar a Reforma Política.