Grandão empurra e fecha porta na cara dos moradores. Foto: reprodução do vídeo

O prefeito de Matões-MA, Ferdinando Coutinho (PSB), foi flagrado completamente alterado. O gestor não gostou da presença de populares do povoado Tanque de Rodagem. Os moradores reivindicam um poço para a localidade.

O Grandão, como o prefeito também é conhecido, é irmão do presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, o deputado Humberto Coutinho (PDT), expulsou os moradores de seu gabinete. Aos berros ele empurra, inclusive, uma mulher.

A prefeitura alega que não pode executar a obra por conta de uma decisão judicial já transitada e julgada que proíbe a concessão do beneficio, porém, pediu que os moradores formem uma comissão para se reunir com a prefeitura.

De tatuagem do Temer a pedido de “nudes” no plenário da Câmara. O deputado Wladimir Costa (SD-PA) tem virado o centro das atenções nos últimos dias junto com a votação do arquivamento da denúncia protocolado pela Procuradoria Geral da Republica contra o presidente Michel Temer. Desta vez o deputado Wlad, como é conhecido no Pará, foi flagrado pelo fotógrafo Lula Marques pedindo “nudes”.

“O deputado da tatuagem do Temer Wladimir Costa passou boa parte da sessão que discutia a denúncia contra o Temer em conversas nada republicanas pelo Whatsapp”, testemunhou o fotógrafo Lula Marques em sua página no Facebook.

“Mostra tua bunda mostra, afinal, não são suas profissões que destacam como mulher, é sua bunda. Vai lá, põe aí, garota”, diz uma das mensagens enviadas pelo deputado durante a votação na Câmara nesta quarta (2), no dia que o presidente Temer foi absolvido pela câmara federal.

 

 

Governador Flávio Dino mostra que não tem domínio total em sua base de federais. Deputados não votam junto com o Palácio dos Leões.

A votação na bancada de federais do Maranhão poderia ter sido diferente. Se os aliados do governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), mostrassem que fazem parte do grupo do comunista. Haja vista que os deputados federais, que votaram, e realmente fazem oposição ao governador são somente Aluísio Mendes (Podemos), Hildo Rocha (PMDB), João Marcelo (PMDB),  Sarney Filho (PV) e Victor Mendes (PSD).

Aliados antigos ou de ocasião não tiveram peito para votar com os Leões. Ou por convicção ideológica ou por interesses que estão acima das benesses que Dino possa oferecer. O mais emblemático foi o do pré-candidato ao senado, Zé Reinaldo, que quer fazer parte da chapa de Flávio Dino no pleito de 2018. Assim como no prosseguimento do processo de impeachment da Dilma e agora, no arquivamento da denúncia do Temer, Zé Reinaldo votou contra o seu ex-afilhado político. O gesto pode ser um adeus a sua vontade de ser um dos dois candidatos ao senado em 2018. Pelo menos ao lado do governador Flávio Dino.

O cenário mostra que o governador Flávio Dino não possui o controle de seus aliados no congresso nacional. Diferente do que acontece na Assembleia do Maranhão. Que os deputados são governo de olhos fechados e sem pestanejar. Agora fica a pergunta: Como será o apoio dos Leões na eleição desses deputados nas eleições de 2018?

 

 

 

Na votação sobre o adiamento da denúncia contra o presidente Michel Temer, a maioria dos maranhenses votaram a favor do peemedebista.

Aliados fieis do governador Flávio Dino (PC do B-Maranhão) não votaram a favor de sua vontade. José Reinaldo Tavares (PSB), por exemplo, mesmo com seu partido orientando o voto pelo prosseguimento da denúncia, Zé Reinaldo votou junto com o relator e pelo arquivamento da denúncia no congresso.

Denúncia não é enterrada. Vale lembrar ainda que a denúncia não será enterrada. O congresso apenas não autorizou a investigação por parte do Supremo Tribunal Federal, quando o mandado terminar o presidente será investigado. Ou não.

VOTAÇÃO DO ADIAMENTO DA DENÚNCIA CONTRA O PRESIDENTE TEMER
VOTOU SIM VOTOU NÃO
Aluísio Mendes (Podemos)

André Fufuca (PP)

Cleber Verde (PRB)

Hildo Rocha (PMDB)

João Marcelo (PMDB)

José Reinaldo Tavares (PSB)

Júnior Marreca (PEN)

Juscelino Rezende (DEM)

Pedro Fernandes (PTB)

Sarney Filho (PV)

Victor Mendes (PSD)

Deoclides Macedo (PDT)

Eliziane Gama (PPS)

Luana Costa (PSB)

Rubens Júnior (PCdoB)

Waldir Maranhão(PP)

Weverton Rocha (PDT)

Zé Carlos (PT)