UDN já tem representante no Maranhão

Presidente nacional da UDN inicia estruturação do partido no Maranhão

O coronel Monteiro foi o nome escolhido para comandar a nova configuração do partido União Democrática Nacional (UDN) no estado Maranhão. A definição aconteceu nesta segunda-feira (29) durante reunião do presidente nacional da legenda, Marco Vicenzo, com o militar. O futuro da agremiação na região Nordeste também foi um dos assuntos tratados.

A UDN, que teve sua história política interrompida em 1965 após a proclamação pelas Forças Armadas do Ato Institucional nº 2, será refundada. Na última segunda-feira (22), o presidente do partido protocolou, no Tribunal Superior do Trabalho (TSE), uma petição para reinstalar o partido criado em 1945. Para Vicenzo, esta é a oportunidade de resgatar o que foi feito no passado e trabalhar para que os direitos dos cidadãos sejam respeitados, para que a democracia seja fortalecida, e para que as instituições tenham independência.

Marco Vicenzo ressalta que não poderia ter escolhido um nome melhor para representar a sigla no estado. “Precisamos de pessoas virtuosas como o Coronel Monteiro para mostrar o grande partido que seremos em qualidade política. O ‘Endireita Maranhão’ inaugura a acolhida que precisamos dar aos movimentos sociais, com esperança em uma verdadeira renovação política que ainda não existiu” , afirma.

Para o Coronel Monteiro, o resgate da antiga UDN é a oportunidade para instigar a democracia no estado. “Tenho certeza que a parceria entre a UDN e o ‘Endireita Maranhão’ só fortalecerá o debate livre e democrático no Estado e a política de mãos limpas – fiel a princípios morais. Esse é o Maranhão que todos queremos”, ressalta.

O Coronel Monteiro foi pré-candidato ao Governo do Estado do Maranhão nas eleições de 2018. Atualmente, ele é Secretário do Patrimônio da União no Maranhão e líder do “Endireita Maranhão”, movimento com viés ideológico de direita, que visa conquistar espaços ocupados pela esquerda no estado.

Corrida antecipada dos deputados estaduais do Maranhão

A Coluna Bastidores, do jornal O Imparcial, assinada pelo jornalista Raimundo Borges, destacou os nomes que “correm” pela vaga de ser o sucessor de Edivaldo Holanda Jr (PDT).

Edição do jornal O Imparcial do dia 30 de abril

Segundo o jornalista, a Assembleia Legislativa do Maranhão tem seis pré-candidatos a prefeito de São Luís para o pleito de 2020. São eles: Adriano Sarney (PV), Neto Evangelista (DEM), Duarte Jr (PCdoB), Dr. Yglésio (PDT), Helena Duailibe (SD) e Wellington do Curso (PSDB). Da base do governador Flávio Dino, só Wellington e Adriano não fazem parte.

Aprovado antecipação da eleição da mesa da Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, nesta segunda-feira, 29, em primeiro turno, projeto de resolução legislativa que autoriza a antecipação da eleição para a Mesa Diretora para o segundo biênio da legislatura.

A matéria será votada ainda em segundo turno, provavelmente na quinta-feira (2).

De autoria do deputado Neto Evangelista, a proposta altera a redação do art. 7º do Regimento Interno da Casa.

Pela regra anterior, a eleição para o segundo biênio deveria ocorrer a partir do dia 1º de março do segundo ano da legislatura – no caso concreto, esse pleito deveria ocorrer a partir de março do ano que vem, para nova posse em de janeiro de 2021.

Com a alteração da redação, a eleição pode ocorrer já a partir do dia 1º de abril do primeiro ano da legislatura. Assim, o atual presidente da AL, deputado Othelino Neto (PCdoB) já pode convocá-la, e candidatar-se à reeleição.

O objetivo do comunista é aproveitar o momento – em que ele goza de boa relação com praticamente todo o plenário – para garantir mais um mandato à frente do Poder Legislativo.

do blog do Gilberto Léda

Sarney Filho na disputa do MDB-DF: trunfo do governador

Há disputa pelo controle do MDB no Distrito Federal. O governador do DF, Ibaneis Rocha e o Presidente da Câmara Legislativa, Rafael Prudente querem o controle do partido, hoje controlado pelo ex-vice-governador Tadeu Filippelli.

Romero Jucá, presidente nacional (leia-se interino), cancelou a eleição nesta segunda-feira, 29 de abril. O pleito estava marcado para o próximo dia 6 de maio.

O governador Ibaneis tem em Sarney Filho o seu trunfo para tomar o controle do partido no Distrito Federal. Pelo menos é o que acredita o site Rádio Corredor, de Brasília. Com o cancelamento das eleições, Rocha teve metade da vitória, já que Romero Jucá não dissolveu o diretório.

“De fato, é absolutamente irrazoável que o governador e o presidente da Câmara Legislativa não tenham espaço no partido. Ao contrário, a participação deles é fundamental para o fortalecimento e progresso do partido. Além disso, é notório que o MDB perdeu espaço no Distrito Federal”, afirmou o presidente Jucá, na decisão.

Operação da Gaeco prende políticos e empresários, confira

GAECO, Promotoria de Justiça de Itapecuru-Mirim e Polícia Civil integram operação

O Ministério Público do Maranhão (MPMA), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e da 1ª Promotoria de Justiça de Itapecuru-Mirim, com apoio da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor) e da Polícia Civil do Estado do Maranhão, realizaram na manhã desta segunda-feira, 29, uma operação conjunta para cumprir doze mandados de busca e apreensão. Foram apreendidos documentos, computadores, telefones celulares.

A ação aconteceu simultaneamente nas cidades de Itapecuru-Mirim, Matões do Norte, Pirapemas, Bacabal e São Luís. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal do Termo Judiciário de São Luís da Comarca da Ilha, em atendimento ao pedido do Ministério Público.

O Procedimento Investigatório Criminal apurou que o Município de Itapecuru-Mirim realizou procedimentos licitatórios irregulares para a contratação de serviços de montagem e desmontagem de estrutura, iluminação de palco, gerador e contratação de bandas musicais para as festividades do Carnaval do ano de 2016. A licitação teria sido feita para beneficiar a empresa Jaime R. da Costa – ME. As ilegalidades foram cometidas na gestão do ex-prefeito Magno Rogério Siqueira Amorim.

Segundo o promotor de justiça Igor Adriano Trinta Marques, que atua na 1ª Promotoria de Justiça de Itapecuru-Mirim, “foram encontradas diversas irregularidades. O que se observa é um esquema bem montado, objetivando a prática de crimes relacionados a fraudes em processos licitatórios, desvio e apropriação de verbas públicas”.

IRREGULARIDADES

As investigações apuraram que o Pregão Presencial nº 021/2016, realizado pelo município de Itapecuru-Mirim foi conduzido em desacordo com o que regem o Decreto Federal nº 3.555/00, a Lei Federal nº 10.520/2002 e a Lei Federal nº 8.666/93.

Foram identificadas a inexistência de comprovantes de publicação do aviso de licitação, do comprovante de publicação do resultado do pregão e dos comprovantes de publicação do extrato do contrato, evidenciando o direcionamento do processo licitatório para que a empresa fosse vencedora.

Foi constatado, ainda, que os serviços foram executados pela empresa M. Peixoto de Alencar, embora a empresa Jaime R. da Costa tenha sido contratada pelo Município. O ex-gestor contratou diretamente a empresa M. Peixoto de Alencar pelo valor de R$ 60 mil. Mas o valor do contrato licitado era de R$ 1.408.300,00.

Juiz Douglas Martins faz balanço das ações e destaca trabalho do Poder Legislativo

O juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, Douglas Martins, foi o entrevistado do programa Parlamento Cidadão, veiculado pela TV Assembleia, nesta sexta-feira (16). Ele fez um balanço das ações julgadas e em tramitação nessa unidade jurisdicional e destacou a atuação da Assembleia Legislativa na discussão de temas relevantes, como a questão da acessibilidade e mobilidade urbana. Além disso, ressaltou o trabalho realizado pelo Poder Legislativo estadual e TV Assembleia.

Inicialmente, Douglas Martins explicou que direitos difusos são os direitos transindividuais, indivisíveis, de que são titulares pessoas indeterminadas, vinculadas entre si por uma circunstância de fato. “É o que consta no artigo 81 do Código de Defesa do Consumidor (CDC). direito transindividual é quando não é só de uma pessoa. Se alguém se apropria de um direito e puder dividi-lo, ele já não é difuso. E o vínculo diz respeito às necessidades como, por exemplo, direito à saúde, à educação, à segurança, ao meio ambiente equilibrado, à acessibilidade, etc”, esclareceu.

Por sua vez, esclareceu Douglas Martins, os direitos coletivos implicam numa relação jurídica com a parte contrária, o que não ocorre com os direitos difusos, que têm um fato como elemento determinante da relação entre as pessoas. “Por exemplo, o direito dos consumidores de uma determinada empresa de telefonia a um serviço de boa qualidade. Quando os consumidores dessa determinada empresa se sentem prejudicados, buscam o poder Judiciário, que aciona a parte contrária, no caso a empresa de telefonia”.

O juiz Douglas Martins disse que a Vara de Interesses Difusos e Coletivos ampliou sua atuação e tem sido muito demandada, principalmente pelo Ministério Público e Defensoria Pública, e revelou que, hoje, São Luís é uma das poucas cidades do Brasil que não tem lixões. “São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa, municípios situados dentro da Ilha de São Luís, tiveram seus lixões encerrados por sentenças prolatadas na Vara de Interesses Difusos e Coletivos”, destacou.

O instrumento da ação popular

Douglas Martins explicou que o cidadão, desde que seja eleitor, pode acionar a Vara de Interesses Difusos e Coletivos por meio de uma ação popular sobre temas que digam respeito, por exemplo, a probidade e a transparência administrativas, ao meio ambiente equilibrado e acessibilidade. Ele revelou que existem diversas ações populares contra shoppings de São Luís, praticamente todos, pleiteando que eles sejam adaptados para as pessoas com deficiência.

Atuação da Assembleia

O juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos destacou a atuação da Assembleia na discussão de temas relevantes na esfera dos interesses difusos e coletivos e, particularmente, a sensibilidade e a receptividade do presidente da Casa, deputado Othelino Neto (PCdoB), durante reunião que mantiveram. “Inclusive, o deputado Othelino, a nosso convite, marcou presença no seminário do projeto “Teia da Sustentabilidade”, realizado recentemente no município de Itapecuru-Mirim. Parabenizo o presidente da Assembleia pela condução da relação harmônica e independente que tem sabido manter com os demais poderes e pela contribuição que tem dado a debate de temas da maior alta relevância na esfera dos interesses difusos e coletivos”, enfatizou.

Reconhecimento ao trabalho da TV Assembleia

Indagado sobre os avanços conquistados na questão da acessibilidade, o juiz Douglas Martins declarou que a melhor matéria, mais instrutiva e qualificada já feita sobre acessibilidade que ela já viu no país, foi a produzida pela TV Assembleia. “Quando falo para as pessoas sobre esse direito, recomendo sempre essa matéria produzida pela TV Assembleia. Essa matéria, de uma forma muito didática, explica o que é o direito à acessibilidade”, salientou.

Ex-prefeito de Itapecuru Mirim é preso

O ex-prefeito de Itapecuru Mirim, Magno Amorim, foi preso na manha desta segunda-feira, 29, durante operação realizada pelo GAECO – Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado.

Além do ex-prefeito, outras pessoas envolvidas em supostas fraudes em licitação para realização do carnaval em 2016, ano em que Magno Amorim comandava o município.

A operação ainda está em andamento.

Com informações do site Maramais

Expectativa para o relatório do empréstimo dos precatórios

Há duas semanas uma pauta tem chamado atenção na Assembleia Legislativa do Maranhão: o autorizado para o Governo do Maranhão contratar empréstimo de 623 milhões de reais. A matéria encontra-se na Comissão Constituição e Justiça e o relatório é do deputado Dr Yglésio, do PDT.

A votação deve acontecer nesta quinta-feira, 25. O deputado ainda não adiantou o seu parecer, porém em discussão recente na Assembleia Legislativa com os deputados César Pires (PV) e Adriano (PV), o relatório deve ser pela aprovação.

Nesta quarta-feira (24), em audiência pública com a Secretaria de Planejamento e Orçamento, o Dr Yglesio exemplificou que o empréstimo de 623 milhões pode quitar mais de 800 milhões em precatórios, esse cálculo é possível, segundo o deputado, por conta de 50% do empréstimo contratado pode ser usado para negociar pagamento de precatórios, os descontos podem chegar até 40% do valor devido.

O relatório e o voto do relator deve ser lido na tarde desta quinta-feira.

João Dória se aconselha com Zé Sarney

O blog do Antagonista registrou, no dia do aniversário do ex-presidente José Sarney, uma visita entre o governador de São Paulo, João Dória (PSDB) e o maranhense Zé Sarney.

Na publicação do Antagonista, o blog diz que mesmo sem mandato, Sarney continua dando conselhos a políticos brasileiros. Vale lembrar que João Dória fez parte do governo Sarney, na época que foi presidente do Brasil. João Dória foi presidente da Embratur.

Uber não dá lucro e surpreende com relatório para mercado financeiro

Desde os primórdios do capitalismo, a principal premissa de uma empresa – qualquer empresa – é ganhar o máximo de dinheiro possível. 

Nestes tempos de grandes transformações na sociedade, e que levaram também a mudanças no mundo corporativo, novos sistemas econômicos vêm ganhando espaço.

Um deles, chamado de capitalismo consciente, prevê que as companhias gerem valor para a sociedade e não busquem apenas o lucro. 

Agora, a Uber, uma das empresas mais inovadoras do mundo, parece disposta a inventar uma terceira via: a das corporações que jamais serão lucrativas.

Uber não dá lucro e tem futuro em xeque

Uma das empresas mais inovadoras do mundo chegou a uma encruzilhada: continuar transformando a sociedade sem ganhar dinheiro ou mudar o seu modelo de negócios

Em um prospecto de mais de 300 páginas enviado à Securities and Exchange Commission (SEC, na sigla em inglês), órgão regulador do mercado financeiro dos Estados Unidos, a Uber admitiu que talvez jamais seja lucrativa. 

“Esperamos que nossas despesas operacionais aumentem significativamente em um futuro previsível”, disse a companhia, em comunicado, acrescentando que “podemos não alcançar o lucro”.

O documento foi escrito para embasar seu processo de abertura de capital, previsto para as próximas semanas e que deverá ser o maior do mundo, em 2019. O que era para ser uma espécie de motivador para os investidores acabou se tornando um sinal de alerta. Quem, afinal, vai se interessar por uma empresa que, segundo ela própria, não vai gerar resultados financeiros consistentes?

Além de colocar em xeque os lucros futuros, a Uber elencou uma série de riscos que podem comprometer a viabilidade do negócio. 

Entre eles, as encrencas na Justiça (como os motoristas não mantêm relação trabalhista formal com a empresa, correm nos tribunais inúmeras ações), as perdas bilionárias geradas por seu aplicativo de delivery de alimentos, a Uber Eats, e a falta de regulamentação, em diversos países, que podem impedir a própria operação de transporte de passageiros.

O documento não poderia ter tido uma repercussão pior. Em um artigo cheio de ironias, o jornal inglês Financial Times definiu assim a defesa que a Uber fez da sua abertura de capital: “A empresa precisa de dinheiro para financiar um negócio que não dá dinheiro”.

Embora, de fato, tenha transformado o mundo, à medida que barateou o transporte de passageiros e o tornou acessível para milhões de pessoas, a Uber é uma gigante de resultados financeiros pífios. 

No ano passado, seus prejuízos totalizaram US$ 3 bilhões – o equivalente às vendas líquidas de um ano inteiro de uma empresa do porte do Magazine Luiza, um dos maiores varejistas do Brasil.

Por mais que a empresa venha tentando ajustar o modelo de negócios para minimizar as perdas financeiras, ela tem pela frente um mercado cada vez mais desafiador. 

Fundada em 2009, em São Francisco, na Califórnia, o berço da inovação nos Estados Unidos, a empresa vem sofrendo cada vez mais com o aumento da concorrência.

CONCORRÊNCIA A Uber compete na América Latina com a chinesa Didi Chuxing, dona da 99, com a Ola, na Índia, e com a Careem, no Oriente Médio. 

Criadas sob a inspiração da Uber, essas empresas não só copiaram o modelo da rival como, em alguns casos, aprimoraram o sistema. Na China, a Didi está avaliada em US$ 50 bilhões, o que a torna a segunda startup mais valiosa do mundo, atrás justamente da Uber, com valor de mercado estimado entre US$ 90 bilhões e US$ 100 bilhões.

Logo depois do impacto negativo gerado pelo documento enviado às autoridades americanas, o presidente da Uber, Dara Khosrowshahi, divulgou um texto para destacar as qualidades do negócio.

“Alguns dos atributos que fizeram da Uber uma startup de incrível sucesso – um senso feroz de empreendedorismo, nossa disposição de correr riscos que outros podem não aceitar, e a garra que tornou a Uber famosa – resultaram em alguns tropeços ao longo do caminho”, escreveu o executivo.

Ele prosseguiu na defesa do negócio. “Na realidade, quando cheguei à Uber como presidente-executivo, muita gente me perguntou por que escolhi deixar a estabilidade de meu emprego anterior para assumir um posto que seria tudo, menos tranquilo”, continuou o presidente. 

“Minha resposta foi simples: a Uber é uma dessas empresas que surgem uma vez por geração, e as oportunidades que existem diante dela são imensas.”

De Estado de Minas – Jaqueline Mendes