O coordenador do MBL no Maranhão, o imberbe Gustavo Sereno, que ficou conhecido por soltar foguetes na frente do Palácio dos Leões e na Península após a aprovação da Reforma da Previdência na Câmara Federal, caiu da coordenação do movimento.

A queda se deu depois da descoberta de um vídeo em que ele aparece dançando o ‘Passinho do 65’, música que embalou todos os candidatos comunistas no Maranhão.

O próprio Gustavo comprovou a veracidade do vídeo ao confessar que realmente já dançou ao som do 65 quando tinha 15 anos de idade.

Assim, o MBL continua sendo a grande chacota política do Maranhão.

Vejo o vídeo do coordenador no passinho do 65:

Por: Marrapá

As articulações visando a sucessão municipal de 2020 em São Luís continuam a pleno vapor. A mesma dificuldade que o PCdoB está tendo para resolver entre Rubens Júnior e Duarte Júnior quem será o candidato do partido está sendo enfrentada pelo PDT com os pré-candidatos Osmar Filho, presidente da Câmara Municipal de São Luís, e o deputado estadual Dr. Yglésio Moisés.

Ciente das dificuldades que terá que enfrentar para retirar o presidente da Câmara Municipal do páreo, Dr.Yglésio, em conversa com jornalistas nesta manhã de terça-feira (3), no plenário da Assembleia Legislativa, após a sessão, disse que já comunicou oficialmente ao PDT que não abre mão de disputar o mandato de prefeito e garantiu que já tem um pequeno partido disposto lhe acolher e garantir a legenda para disputar a eleição.

Questionado se o PDT estaria disposto a lhe liberar sem o risco da perda do mandato, Yglésio mostrou segurança de que não terá problema. “O senador Weverton Rocha é um político de grupo e eu vou continua no mesmo grupo, apenas quero ter o direito de disputar essa eleição que está completamente aberta”, observou.

O parlamentar, no entanto, não informou qual partido estaria disposto a lhe garantiu a legenda para disputar a prefeitura, fez mistério e não revelou a sigla, disse apenas tratar-se de um pequeno partido.

Atualmente, Osmar Filho estaria em situação favorável, pois conta com a simpatia da grande maioria da cúpula do partido, de vários vereadores e espera chegar até o final do ano bem posicionado nas pesquisas para poder se consolidar como candidato na convenção.

Yglésio, no entanto, prefere não pagar pra vê Osmar Filho atingir índices aceitáveis até a data limite estabelecida pela direção partidária e já se articula para participar do pleito por outra legenda, sinal de que o presidente da Câmara Municipal está em posição privilegiada com os pedetistas de proa.

Fonte: blog do Jorge Vieira

O piloto maranhense, Marcelo Medeiros, mais uma vez levantou a Taça do Rally dos Sertões alcançando, nesta edição, o tricampeonato. 
Neste domingo, os pilotos largaram de Crateús (CE) e cumpriram a última e mais rápida especial, de 18 Km, até as dunas de Aquiraz (CE). Marcelo finalizou a etapa em 12min29seg . O título foi comemorado em Aquiraz (CE), última cidade do roteiro dos Sertões 2019.
Após 8 duríssimas especiais realizadas na 27ª edição, que ultrapassaram 2800 Km, o piloto Maranhense somou 39h10min39seg no acumulado, uma folga de 20 horas do segundo colocado, #107 Milton Martens, com 59h56min07seg. O menor tempo fez do piloto campeão da edição de 2019 dos Sertões. 
“Graças a Deus, em 2019, nós fomos tricampeões. Foi um ano difícil, com especiais longas, mas eu tive muito foco e determinação para conseguir esse tricampeonato”, comemora o piloto. 
Marcelo Medeiros, que veste as cores da equipe Taguatur Racing Team, é patrocinado pela FC Oliveira, através da Lei de Incentivo ao Esporte do Governo do Maranhão. O piloto destaca o empenho de todos os envolvidos nesta vitória. “Não fui só eu o campeão, mas toda a equipe. Sem a equipe eu não teria como chegar na cidade, não tem como chegar na largada. Então eu dedico essa vitória para a toda equipe, inclusive a do Maranhão que estava na torcida por mim”, destaca o quadriciclista. 
Foram oito dias de competição dos Sertões 2019 com largada inédita na cidade de Campo Grande (MS), no dia ‪24 de agosto, e chegada com areia e mar no Beach Park, no Porto das Dunas, na cidade de Aquiraz (CE), no dia ‪1 de setembro. Durante a maratona, os pilotos percorreram seis estados: Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Piauí e Ceará e nove cidades e encararam as mais diferentes condições de terrenos do sertão brasileiro.No total, foram percorridos 4.887 km, sendo 2.858 km de especiais (trechos cronometrados) em um roteiro cheio de desafios: trechos sinuosos, terrenos de cascalho, piçarra, pedras grandes e lajes além de poeira, lama, calor e umidade.
Marcelo venceu seis das oito etapas desta edição. Na trajetória pelos Sertões e com a taça deste ano, Marcelo Medeiros coleciona os títulos em 2012, 2015, 2019 e vice em 2013.

Resultado dos Sertões 2019 ( QUADRICICLOS):
1º) #102 – Marcelo Medeiros, Taguatur Racing Team, 39h10min39seg
2º) #107 – Milton Martens, Martens Rally Team, 60h516min32seg
3º) #101 – Wescley Dutra, Girão Racing, 59h32min47seg
4º)#105 – Giovanni de Castro, BPM Racing Team, 73h18m15seg
5º) #106- Fábio freire, 118h24min20s

Durante sessão solene que concedeu medalha Manoel Beckman à cantora Alcione, a maranhense ao final da solenidade pregou a união dos maranhenses. “Com os maranhenses todos unidos podemos ir muito longe. E vocês sabem do que estou falando”, profetizou Alcione.

Os elogios de Alcione aconteceram depois do governador Flávio Dino (PCdoB) fazer um discurso em que agradecia o fato de Alcione ter defendido o Maranhão no episódio que Jair Bolsonaro chamou o Nordeste de Paraíba.

Em tempo: A cantora Alcione não deixou de fazer reverência ao ex-presidente José Sarney e a sua filha, Roseana Sarney. (Foto: Raillen Martins)

No início da tarde desta quinta-feira (29), a loja Novo Mundo da avenida Jerônimo de Albuquerque, no bairro da Cohab, em São Luís, pegou fogo. Segundo testemunhas, deu para ouvir o som de uma explosão, e logo em seguida as chamas tomaram conta do local.

Os bombeiros chegaram por volta das 14h, e conseguiram conter as chamas. Ainda não se tem informações das causas do incêndio e, até o momento, o Corpo de Bombeiros ainda não registrou nenhuma vítima. O local passa pelo processo de resfriamento.

Ao lado da Novo Mundo há diversas lojas, que corriam risco de serem atingidas pelas chamas. A fumaça que saiu da Novo Mundo tomou conta da avenida, e o trânsito no local ficou completamente congestionado, devido à fumaça e aos curiosos. A recomendação da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) é que se evite passar pela região.

Na Maternidade Benedito Leite, pacientes e funcionários sofreram com a fumaça.

O senador maranhense Roberto Rocha (PSDB) será o relator na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal do projeto de lei que separa o Maranhão em dois. A proposta é que se realize uma consulta popular (plebiscito) para saber se o maranhense quer o Maranhão e Maranhão do Sul.

A proposta é do senador Siqueira Campos (DEM), responsável pela criação dos estados do Tocantins e Amapá. O relator Roberto Rocha é a favor do projeto e o seu relatório deve ser pela aprovação do projeto de Campos.

Médicos, gestores de unidades de saúde e estudantes estiveram presentes hoje, em São Luís, na cerimônia de apresentação e lançamento do Teste do Olhinho obrigatório no Maranhão. Foi o primeiro encontro realizado para esclarecimentos importantes que podem beneficiar cerca de 115 mil crianças que nascem a cada ano no território maranhense. 

“É um teste simples, rápido e fácil de ser executado. Se as doenças não forem tratadas a tempo há risco para o desenvolvimento normal da criança. Esse aqui é um pontapé inicial de um grande projeto e de um grande sucesso para o nosso estado do Maranhão”, comemorou o médico oftalmologista e professor da UFMA, Álvaro Bruno Botentuit, que sugeriu a lei recentemente sancionada pelo governador Flávio Dino.

Aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa do Estado, por meio de um projeto apresentado pelo deputado Arnaldo Melo, a lei estabelece que o exame também chamado de Teste do Reflexo Vermelho deve ocorrer em até 48 horas após o nascimento. Por meio dele, é possível detectar problemas na visão como catarata e glaucoma congênitos, tumores e até casos de cegueira que atingem cerca de 33 mil recém-nascidos por ano no Brasil.

A novidade que vai chegar em breve em maternidades públicas da capital e do interior foi recebida com grande expectativa no auditório da Secretaria de Saúde do Estado, como afirma a diretora de saúde da Regional de Rosário, Elizabeth de Castro Oliveira Menezes.

“Vamos ajudar na divulgação junto aos municípios e esperamos que a atenção primária desses municípios venha dar um grande avanço alcançando as mães, sensibilizando da necessidade da realização destes exames. Ficamos felizes com o equipamento que vai ser doado. Isso é um grande incentivo”, disse.

O diretor administrativo do Hospital Regional de Morros, onde são realizados em média 30 partos por mês, também esteve presente e reconheceu a importância do teste.

“A gente vai ser multiplicador do que foi informado aqui, vamos sensibilizar nossa equipe multidisciplinar e trabalhar para que as crianças sejam atendidas”, antecipou Henrique Matos.

A secretária adjunta de Assistência à Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Carmen Belfort, representou o secretário Carlos Lula. Ao público presente, disse que é preciso ter atitude para que a lei entre em vigor imediatamente.

“O encontro foi muito bom. Avaliamos que tivermos uma grande adesão. Vários municípios se fizeram presentes, inclusive secretários municipais de saúde. O evento cumpriu a sua missão. Seu propósito era dizer que agora é lei estadual, que temos parceiros como doutor Álvaro e que nós estaremos à disposição para que Estado e municípios consigam que essa lei entre em vigor o mais rápido possível”, destacou.

O processo de aquisição dos equipamentos está em fase final. A licitação já ocorreu e a empresa vencedora obteve prazo de 60 dias para fazer a entrega ao Governo. Após isso haverá treinamento para o uso correto nas cidades.

Três meses depois de os resultados terem sido divulgados, os aprovados pelo concurso da Câmara Municipal de São Luís ainda não foram chamados para ocupar seus respectivos cargos. A queixa foi trazida por dois dos concursados, Rafael Campos e Leandro Ferreira, em entrevista à Radio Tambor nesta quarta-feira (28).A prova, que aconteceu em março deste ano, teve seus resultados divulgados em maio. No dia 1 de julho, o documento com a lista de aprovados foi homologado pelo presidente da Casa, Osmar Filho (PDT). Até agora, entretanto, os concursados aguardam ser chamados. “Nossa queixa é a demora da presidência da Câmara de esclarecer o cronograma de nomeação dos aprovados”, denuncia Leandro, que passou para o cargo de relações públicas.“Não tem motivo para a Câmara estar postergando”, alega Rafael, que conseguiu a vaga para historiador. As regras do edital determinam que o concurso tem validade de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período. Em nota, a Câmara Municipal de São Luís afirmou que “o objetivo da atual Mesa Diretora é iniciar o chamamento dos aprovados ainda neste segundo semestre”. Prazo que, segundo eles, foi comunicado aos admitidos na prova em recente reunião com a direção da Casa.A pressão para a realização do Concurso da Câmara acontece desde abril de 2018, após uma Ação Cívil Pública proposta pelo Ministério Público Estadual e mediada pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da ilha. Segundo o juiz Douglas de Melo Martins, o objetivo seria substituir os servidores em sua grande maioria ilegais, que ocupam os cargos sem terem prestado concurso, desde que a Constituição de 1988 entrou em vigor – mas a questão é mais complicada do que parece.No ano passado, quando a decisão do concurso chegou ao então presidente da Casa, Astro de Ogum (PR), quase 2 mil servidores trabalhavam em situação de ilegalidade. Como tentativa de reduzir as exonerações, foi determinado que houvesse recadastramento e controle biométrico de ponto, o que fez o número cair para cerca 900 servidores.Hoje, para que os aprovados pelo concurso possam ocupar seus cargos de direito, estas 900 pessoas têm que ser demitidas. A maioria delas é formada por idosos que trabalham no local há quase 30 anos e não têm perspectiva de arranjar outros empregos, além de não terem direito à previdência social (INSS), por serem ilegais.Em 2018, o então presidente da Casa começou a recolher o INSS para os servidores que deverão ser demitidos. Esse, porém, é um processo que ainda pode levar algum tempo. Enquanto isso, a pressão continua para que a Câmara resolva o impasse da forma menos nociva possível.

Do jornal Vias de Fato / Giovana Kury

Doenças psicológicas e distância da família são os principais motivos que levaram a Justiça conceder liminares para que alunos que não passaram pelo tradicional processo seletivo da Universidade Estadual do Maranhão fossem matriculados no Curso de Medicina da UEMA (Campus Caxias). A denúncia de alunos e professores chegaram ao conhecimento do gabinete do deputado estadual Dr. Yglésio (PDT).

Diante o exposto, o parlamentar maranhense acredita que a instalação de uma Comissão de Parlamentar de Inquérito (CPI das Transferências Universitárias) é a melhor alternativa para investigar essas transferências externas que tem como alvo o curso de medicina da UEMA.  O deputado Dr. Yglésio já colheu 15 assinaturas para abertura da CPI e o requerimento deve ser protocolado nos próximos dias.

DENUNCIA NO CURSO DE MEDICINA UEMA:Doenças psicológicas e distância da família são os principais motivos que levaram a Justiça conceder liminares para que alunos que não passaram pelo tradicional processo seletivo da Universidade Estadual do Maranhão fossem matriculados no Curso de Medicina da UEMA (Campus Caxias). A denúncia de alunos e professores chegaram ao conhecimento do gabinete do deputado estadual Dr. Yglésio (PDT). O DEPUTADO YGLÉSIO FEZ USO DA TRIBUNA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PARA FALAR DO CASO!!

Posted by São Luís Notícias on Wednesday, August 28, 2019

Os universitários, segundo a denúncia, são alunos de faculdades e universidades estrangeiras que estão sendo matriculados no curso de Medicina da UEMA extrapolando a capacidade de cada turma que é de 35 alunos. Há turmas superlotadas com as decisões proferidas. Importante destacar que não há edital que garanta a transferência externa de alunos. “Não é menosprezar o problema de depressão. Mas quando você tem 17 decisões no mesmo sentido, todas as medidas liminares concedidas pelo mesmo magistrado. Nós começamos a ver problema em um curto horizonte”, disse o deputado Dr. Yglésio (PDT) em tribuna.

O parlamentar destacou que a UEMA não pode ser vítima de sucateamento do ensino superior, em especial no curso de medicina. “As universidades têm que estar preparadas para receber os estudantes e isso demanda infraestrutura. Tem que ter laboratório suficiente para os estudantes. Garantir uma estrutura que seja compatível com a quantidade de alunos.”, defendeu Yglésio.

Deputados da Assembleia Legislativa do Maranhão se reuniram na sala da Presidência da Casa, entre o final da manhã e início da tarde desta terça-feira 27, para tratar sobre a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que garante a efetivação das emendas parlamentares.

Segundo apurou o ATUAL7, a matéria já conta com o apoio de todos os 42 deputados da Alema, restando apenas acertar os últimos detalhes sobre o texto a ser apresentado e aprovado pelas comissões e em plenário, em relação ao percentual obrigatório da RCL (Receita Corrente Líquida) no primeiro ano de vigência da PEC e ao escalonado no ano seguinte ao da promulgação da proposta.

A nova iniciativa para tornar impositivas as emendas dos parlamentares está sendo encabeçada pelo deputado Yglésio Moyses (PDT), integrante da base do Palácio dos Leões na Assembleia Legislativa, que articulou o apoio de quase 20 deputados governistas, principalmente novatos.

Com o aval de Othelino Neto, o governador Flávio Dino ainda não se intrometeu na discussão. E nem deve

O avanço ocorre, porém, em razão da PEC contar com o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB). Ao ATUAL7, ele confirmou a reunião com os deputados, com o objetivo de chegar a um texto consensual. “Estamos dedicados a chegar a um termo que permita aprovar”, declarou.

Antes de Yglésio Moyses, já lutaram pela aprovação das emendas impositivas, mas sem sequer passar das articulações para recolhimento de assinaturas necessárias para o início das discussões – o total de 14 –, os deputados César Pires (PV), por diversas vezes, e o deputado Wellington do Curso (PSDB), ambos de oposição à gestão de Flávio Dino (PCdoB).