O delegado Lawrence Melo estava no cargo desde dezembro de 2005

O delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo, foi exonerado do cargo nesta sexta-feira, 4, pelo o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B). Melo estava no cargo desde dezembro de 2005.

Quem deve assumir o cargo de delegado-geral é Leonardo do Nascimento, que estava à frente da Superintendência de Homicídios e de Proteção à Pessoa. Leonardo, a propósito, foi superintendente de Polícia Civil da Capital na gestão da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB).

Morreu aos 66 anos Luiz Melodia, um dos grandes compositores do Brasil, autor de sucessos como “Pérola Negra” e “Estácio, Holly Estácio”, conhecido por mesclar o samba ao suingue do soul em um modo original de compor e interpretar. Ele era dono de um estilo único e uma das vozes mais marcantes da MPB.

Carioca nascido no morro do Estácio em 7 de janeiro de 1951, Luiz Carlos dos Santos herdou o dom musical do pai.

O cantor morreu por volta das 5h desta sexta-feira (4). Ele estava internado no hospital Quinta D’Or, no Rio de Janeiro e sofria um câncer na medula óssea.

Neste ano, o cantor chegou a ficar mais de três meses internado após ter sido diagnosticado com mieloma múltiplo, um tipo raro de câncer no sangue. Logo em seguida ele iniciou as sessões de quimioterapia.

O tratamento resultou em uma baixa de glicemia e acidez sanguínea, e o artista precisou ser internado na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) no final de março.

No dia 13 de maio, Melodia passou por uma cirurgia de transplante bem-sucedido de medula óssea, porém a doença não regrediu.

Trajetória

Carioca nascido no morro do Estácio em 7 de janeiro de 1951, Luiz Carlos dos Santos herdou o dom musical do pai.

O pai, no entanto, se opôs de início à carreira musical, que começou mais voltada para a bossa nova e a jovem guarda, até que, depois de chamar a atenção dos poetas Wally Salomão e Torquato Neto, compôs “Pérola Negra”, gravada por Gal Costa no disco “Gal a Todo Vapor”, de 1972.

Saiu em 1973 o disco de mesmo nome, já com o nome artístico de Luiz Melodia. Os discos seguintes consolidaram sua carreira de artista que transitava entre o samba e o soul.

Fonte: UOL

Diogo Nogueira chegou mais cedo em São Luís. Nas suas andanças passou pelo bar do Léo

Pronto e preparado. O filho de João Nogueira chega mais uma vez a Jamaica brasileira para embalar seus sambas de bamba. Diogo Nogueira afinou seus ouvidos desde cedo com choros e sambas, seu pai o levava para cantar em seus shows e assim, surgiu, os primeiros convites para participar de rodas de samba no Rio de Janeiro. Aqui não vai ser diferente.

O seu primeiro DVD veio em 2007 com participações especais como Marcelo D2, Xande de Pilares (ex-vocalista do grupo Revelação) e o violonista Marcel Powell. No final do mesmo ano, Diogo gravou o CD e DVD Diogo Nogueira – Ao Vivo; consolidando o carioca como uma revelação do samba. Esse foi só o começo de uma linda história de samba.

Chegou cedo na Ilha

O evento de hoje, 04 de agosto, conta com assinatura do produtor-sambista Mário Moraes. E foi o próprio Mário que foi recepcionar Diogo Nogueira ainda no fim da noite da quarta e começo da madrugada de quinta. Nogueira chegou em São Luís para afinar seu cavaquinho e também curtir desde culinária, a música e aproveitar tudo que a ilha proporciona aos seus visitantes.

BAR do Leo São Luiz do Maranhao !!!! @mariomoraes60

Uma publicação compartilhada por Diogo Nogueira (@diogonogueira_oficial) em

E na vinda antecipada, Diogo, aproveitou ainda para visitar o Léo, o do bar. O registro foi feito em seu Instagram. Em outro momento de registro na rede de fotos instantâneas, Diogo pontua “Vir a São Luís e não ouvir reggae…” no fundo um reggae característico da capital maranhense.

Diogo Nogueira na ilha do amor e do reggae. Amanhã tem roda de samba com ele!!!!

Uma publicação compartilhada por Mario Moraes (@mariomoraes60) em

Roda de Samba. Palco 360º

O hotel Grand São Luís Hotel recebe nesta sexta-feira, 4, o grande show de Diogo Nogueira. O show conta com a assinatura do produtor Mário Moraes. O evento,  que começa às 21h, vai contar ainda com os grupos Definição, Feijoada Completa e Argumento.

O show de Diogo faz parte da turnê Alma Brasileira com os maiores sucessos de sua carreira.

Ingressos

Ingressos à venda na Bilheteria Digital no Rio Poty Hotel, Shopping da Ilha e Rio Anil Shopping nos seguintes preços: R$ 110 (Setor Leste Open Food – Inteira), R$ 80 (Setor Leste Open Food – Meia), R$ 60 (Setor Oeste – Inteira)

Os servidores Francisco Tavares Pereira, Nájila Monteiro Fernandes Suassuna e Francisco José de Lima Costa se afastaram de suas funções em dezembro de 2016 para ocupar cargos no Sindicato dos Servidores Públicos de Santana do Maranhão. O afastamento foi devidamente assinado pela gestora anterior e as portarias publicadas no Diário Oficial do Município.

O afastamento dos trabalhadores está respaldado pela Lei Municipal n° 162/2007, que garante a liberação de até três servidores para o exercício de mandatos sindicais. Mesmo assim, os dirigentes sindicais não recebem seus vencimentos desde janeiro de 2017.

Desde março, diversas tentativas de resolução do problema foram feitas pelo Ministério Público, inclusive com a realização de uma reunião de conciliação na qual a Prefeitura se comprometeu a dar um posicionamento sobre a questão em até 10 dias, o que não aconteceu. Outras reuniões foram realizadas e ofícios enviados, mas o problema persiste.

“Constata-se que o prefeito de Santana do Maranhão tem, consciente e voluntariamente, retido as remunerações a que fazem jus os servidores públicos municipais afastados formalmente para ocuparem mandato classista no Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santana do Maranhão”, observa o promotor de justiça Raphaell Bruno Aragão Pereira de Oliveira.

Na ação, o Ministério Público do Maranhão pede a condenação de Francisco Pereira Tavares por improbidade administrativa, estando sujeito ao ressarcimento integral do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa de até cem vezes o valor da remuneração recebida e proibição de contratar ou receber benefícios do Poder Público pelo prazo de três anos.